Comentário de São João Crisóstomo aos Atos dos Apóstolos + Diário de Bordo

by - julho 17, 2020





Introdução

Este é um material de apoio do Projeto de Leitura Bíblica: Lendo a Bíblia, para baixar o calendário de leitura bíblica e os outros textos de apoio dos Doutores da Igreja , online e pdf, sobre cada livro da Bíblia, clique aqui


Este projeto é um dos ramos de uma árvore de conteúdos planejados especificamente para o seu enriquecimento. Os projetos que compõem esta árvore são: Projeto de Leitura Bíblica com textos de apoio dos Doutores da Igreja (baixar gratuitamente aqui), Plano de Vida Espiritual (baixar gratuitamente aqui), o Clube Aberto de Leitura Conjunta Salus in Caritate, com resenha e materiais de apoio (para ver a lista de livros, materiais e os cupons de desconto  2020 clique aqui) e o Salus in Caritate Podcast (ouça em sua plataforma preferida aqui). 



Resumo

Autor do livro: São Lucas (biografia já tratada no material sobre o Evangelho de São Lucas).

Atos 1–2Jesus Cristo ensina aos discípulos por 40 dias depois de Sua Ressurreição e, então, ascende ao céu. Por inspiração, os apóstolos chamam São Matias para completar o Colégio Apostólico dos Doze Apóstolos. O Espírito Santo é derramado no dia de Pentecostes. São Pedro afirma a verdade do Salvador ressurreto e cerca de 3 mil pessoas são convertidas.

Atos 3–8: São Pedro e São João curam um homem que havia nascido coxo. São presos por pregar e curar em nome de Jesus Cristo e são libertados da prisão. Os apóstolos chamam sete homens para auxiliá-los no ministério; um desses homens, São Estevão, defende a sua fé perante o conselho judeu e os membros do conselho o condenam à morte. São Filipe prega em Samaria.

Atos 9–12: Saulo é convertido e inicia seu ministério. Ao ter uma visão, São Pedro aprende que o evangelho deve ser pregado aos gentios. Herodes Agripa I condena o Apóstolo São Tiago à morte (“o Maior”, irmão de São João – não confundir com o bispo de Jerusalém, “Tiago, o Menor”; irmão de São Judas) e prende São Pedro.

Atos 13–15: Saulo e Barnabé são chamados como missionários. Eles encontram oposição dos judeus e são aceitos por alguns gentios. Os apóstolos e os anciãos da Igreja se reúnem em Jerusalém e determinam que os conversos gentios não precisam ser circuncidados, quando eles se unem à Igreja. São Paulo (como Saulo é chamado agora) parte em sua segunda viagem missionária, com Silas.

Atos 16–20: São Paulo e São Silas fortalecem várias igrejas que foram estabelecidas anteriormente. No Areópago, em Atenas, São Paulo prega que “[somos] geração de Deus” (Atos 17,29). Termina sua segunda missão e parte em uma terceira missão pela Ásia Menor. Por fim, decide voltar para Jerusalém.

Atos 21–28: Em Jerusalém, São Paulo é preso e continua falar sobre a sua fé em Jesus Cristo. O Senhor aparece novamente a São Paulo. Muitos judeus planejam matá-lo. Em Cesareia, ele defende a fé diante de Félix, Festo e Agripa. São Paulo naufraga a caminho de Roma. Quando enfim chega em Roma, prega o evangelho enquanto está em prisão domiciliar.



Primeira Viagem Missionária de São Paulo


Primeira Viagem Missionária de São Paulo


Duração da viagem: 3 anos
1-       Antioquia, da Síria (parte inferior do mapa) – Selêucida: “jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram. E assim estes, Barnabé e Saulo, que também se chama Paulo, enviados pelo Espírito Santo”( Atos 13, 2-5. Ano 48-49 d.C.)


2-       Salamina em Chipre: “anunciavam a palavra de Deus nas sinagogas dos judeus; e tinham, também, João (Marcos, o evangelista), como cooperador”( Atos 13, 2-5)


3-      Ilha Pafos: só passaram por lá


4-      Perge, da Panfília: em que João: em que João (Marcos, o Evangelista) que era, acreditasse, sobrinho de Barnabé, se apartou deles, voltando a Jerusalém, aos apóstolos. Se tornando assim “secretário” de São Pedro (Atos 13, 6-13; 15,2, 33; Gálatas 2, 1-10).


5-      Antioquia, da Pisídia (é a da parte superior do mapa)na província da Galácia, que se fundou as igrejas da Galáxia ou Gálatas, que eram compostas por judeus e gentios, maiormente por judeus, porque aquela província era habitada por muitos judeus, principalmente a cidade de Icónio. (Atos 13, 14-52; 14, 1; Gálatas 1, 1-5; 2, 1-10, 11-21; 3; 4; 5 e 6). Ficaram muito tempo em Icónio.

6-      Listra e Derbe, cidades de Licaónia:  e para a província circunvizinha, e ali pregavam o Evangelho (Atos 14, 2-20). Em Derbe termina a primeira viagem missionária. Na volta São Paulo confirma os irmãos nas cidades que havia evangelizado. De Atália, navegaram para Antioquia, da Síria, de onde tinham saído ( Atos 14,21-26; 13, 1-3) para relatar o que Deus havia feito. Ficam em Antioquia, da Síria; por algum tempo.

Foi durante essa viagem que São Paulo, pela graça de Deus, conquistou o seu primeiro filho na fé, Tito, a quem São Paulo escreve a “Carta a Tito” (Gálatas 2, 1, 3, 11-13; Tito 1, 4; 2 Coríntios 2, 23, 12-13).



Comentário de São João Crisóstomo aos Atos dos Apóstolos + Diário de Bordo



1-      Antioquia, da Síria (parte inferior do mapa): São Paulo e Barnabé ficaram em Antioquia, ensinando e pregando, com muitos outros, a palavra do Senhor. Depois de um tempo São Paulo queria visitar as cidades que haviam passado, São Barnabé aconselhou que tomassem consigo João, chamado Marcos (o Evangelista). Mas a São Paulo parecia razoável que não tomassem consigo aquele que, desde Panfília, se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra. E tal contenda houve entre eles, que se apartaram um do outro. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre. E Paulo, tendo escolhido Silas, partiu (iniciando-se então a sua segunda viagem missionária). E passou pela Síria e Cilícia, confirmando as igrejas (Atos 15, 35-41).


2-      Tarso – Derbe- Listra – Icônio:  Antiquia da Psidia (parte superior do mapa): confirmando os irmãos na fé. Em Listra São Paulo conheceu Timóteo, o seu “verdadeiro filho na fé”.

3-      Troas (ou Troade): São Lucas, o médico amado, e o posterior evangelista da incircuncisão, foi ganho por Paulo, e juntou-se a ele como seu cooperador pelo resto das viagens, até Roma (2 Coríntios 2, 12-13; Atos 1, 1-2; 16, 8-10; Colossenses 4, 14; 2 Timóteo 4, 11; Filémon 1, 24).

4-      Filipos, que era uma colônia romana: São Paulo libertou uma escrava da adivinhação (outro ramo do satanismo) e foi libertado, por Deus, da prisão subterrânea junto com Silas.

5-      Anfípolis e Apolónia: passaram

6-      Tessalonica: foram perseguidos pelos judeus, os cristãos tessalonicenses enviaram então Paulo e Silas, de noite, para Bereia.

7-      Bereia: a missão foi mais bem recebida entre judeus e gregos. Mas os judeus de Tessalonica perseguiram Paulo em Bereia, quando souberam disso, os irmãos então enviaram São Paulo ( e alguns irmãos)  para Atenas, enquanto Silas e Timóteo ficaram em Bereia com orientação de encontrá-lo o quanto antes(Atos 16,10-40; 17,1-15).

8-      Atenas, Grécia: São Paulo fala do Deus Desconhecido (1 Tessalonicenses 3,1-5; Atos 17,16-34).

9-      Corinto, Grécia: Paulo conheceu o casal judeu Priscila e Áquila (por volta dos anos 50-52 d.C, já se passaram por volta de 10 anos desde a primeira saída de Antioquia em 48-49 d.C), com os quais trabalhou no ofício de fazer tendas e tornaram-se também, posteriormente, seus cooperadores em Cristo (1 Tessalonicenses 3, 6-8; 2 Tessalonicenses 1, 1-2; 3, 17-18; Atos 18, 1-5; Romanos 16, 3). Ali passou 1 ano e seis meses. Em Cencreia de Corinto São Paulo raspou a cabeça por conta do voto de nazireu descrito em Números 6, 1-21.

E, de Cencreia, São Paulo terminou a sua segunda viagem missionária na cidade de Éfeso, em que deixou Priscila e Áquila, ficando pouco tempo nela. E, rogando-lhe eles que ficasse por mais algum tempo, não conveio nisso, antes se despediu deles, dizendo: Querendo Deus, outra vez voltarei a vós. E partiu de Éfeso. E, chegando a Cesareia, subiu a Jerusalém, e, saudando a igreja, desceu a Antioquia (Atos 18, 19-22).

Observações sobre o Voto do Nazireu:

Os nazireus formavam grupos ascéticos no judaís­mo. Eles tomavam vários votos, como abster-se de vinho, não entrar em contacto com qualquer coisa imunda, ou não aparar os cabelos. Entre os antigos hebreus, esses votos eram vitalícios (ver a história de Sansão). E o trecho de Amos 2,12 sugere que os nazireus eram muito prestigiados em Israel.

A legislação posterior, entretanto, permitia que tais votos fossem limitados quanto ao tempo (ver Josefo, Guerras 2,15,1). Mas, um elemento que nunca foi abandonado foi o de um severo ascetismo. O voto do nazireado aparece em Núm. 6,1-20. Ninguém podia fazer tais votos por um período inferior ao de trinta dias. Sansão, Samuel e João Batista (de acordo com muitos eruditos), foram nazireus vitalícios. A instituição do nazireado tinha por intuito tipificar a separação e um modo de viver santificado e restrito. A cabeleira crescida simbolizava a virilidade e virtudes heróicas.

As madeixas de cabelos simbolizavam uma simplicidade infantil, poder, beleza e liberdade. Maimônides, um sábio judeu sefardi (falecido em 1204), referiu-se à dignidade dos nazireus como equivalente à de um sumo sacerdote. E antes dele, Eusébio, o grande historiador eclesiástico da Igreja antiga, asseverou, em termos enfáticos, que os nazireus tinham acesso ao Santo dos Santos, em Israel (Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica 2,23).

Os pais podiam dedicar seus filhos homens a esse grupo religioso separatista. Entretanto, os nazireus não viviam em comunidades separadas, e nem lhes era vedada a associação com outras pessoas, ou de se ocuparem em atividades comuns. Viviam na comunidade de Israel como símbolos de dedicação especial a Yahweh. Essa era a principal função dos nazireus. E eles mostravam-se ativos no serviço religioso e nas práticas ritualistas.

Esse voto podia variar quanto à sua duração. Podia ser imposto às crianças, por seus pais, que as dedicavam à vida do nazireado, como foi o caso de Sansão (ver Jz 13,5,14), e talvez de Samuel (ver I Sam. 1, 11) e de João Batista (Lc. 1,15). A Mishna (livro da tradição judaica) afirma que esses votos eram tomados por um mínimo de trinta dias, e que o período de sessenta dias era o mais comum. O voto tomado por Paulo, conforme está registrado em Atos 18, 18, provavelmente foi um voto temporário de nazireu. O voto se constituía (e constitui, ainda existe entre os judeus, mas possuí modificações):

ProibiçõesOs nazireus precisavam abster-se de vinho, de todas as bebidas alcoólicas, de vinagre, e até de uvas e passas de uvas. A experiência humana exibe claramente os debilitantes efeitos espirituais das bebidas alcoólicas. Além disso, esses votos provavel­mente eram um protesto contra as práticas pagãs, onde as bebidas alcoólicas eram usadas para agitar aos adoradores, levando-os a cometerem toda sorte de excessos. Um forte exemplo dessa adoração, era a embriaguês exercidas pelos adoradores do deus Baco ou Bako, sendo ele tido pelos pagãos como o deus do vinho. Essa adoração era dada através do consumo exagerado de vinho pelos seus fiéis misturadas com muitas músicas e batuques, originando daí o tão famoso carnaval dos dias atuais.
Mas os nazireus também não podiam tocar em coisas imundas, como um cadáver, mesmo que se tratasse de um parente próximo. E cumpre-nos observar que os sumos sacerdotes de Israel também não se podiam contaminar desse modo.

Requisitos. Um nazireu não podia cortar os cabelos durante todo o tempo em que perdurasse a sua consagração. As referências literárias mostram que os cabelos de uma pessoa eram considerados a sede da vida, e até mesmo a habitação de espíritos e de influências mágicas. Talvez por essa razão é que, terminado o voto do nazireado, a pessoa precisava raspar seus cabelos e queimá-los, como medida eficaz para anular quaisquer poderes que os cabelos fossem tidos como possuidores.


Terceira Viagem de São Paulo


Comentário de São João Crisóstomo aos Atos dos Apóstolos + Diário de Bordo


  1. Antioquia da Síria (na parte inferior do mapa): Barnabé estava com a Igreja de Antioquia e viu as grandes coisas que os cristãos, os que estavam dispersos desde o martírio de São Estevão (há mais de 10 anos) lá faziam.
  2. Tarso: Barnabé vai a Tarso buscar Paulo e voltam para Antioquia da Síria. Durante um ano se reuniram com a Igreja de Antioquia, foi lá que receberam pela primeira vez o nome de cristãos. Ficaram sabendo que o mundo passava grande fome e então os cristãos decidiram enviar ajuda para a Igreja na Judéia, São Paulo e São Barnabé ficaram responsáveis de levar a coleta à Jerusalém (Atos 11,19-30). Então São Paulo começou sua viagem missionária
  3. Derbe, Listra,  Icónio, Antioquia da Psidia: passou fazendo a coleta.
  4. Éfeso: ficou nesta cidade por dois anos, ela se tornou o centro desta segunda viagem, feita em meio à fome e dificuldades. Lá exerceu o seu trabalho, “para não se tornar pesado para ninguém”. Sua presença causou forte mudança na cidade em relação ao culto à deusa Diana, para os romanos e Artemis para os gregos, é a deusa caçadora, segundo a mitologia: filha de Júpiter e Latona  (Atos 19,1-41). Ali escreveu a epistola aos Romanos.
  5. Corinto: passando por todas as igrejas, São Paulo termina a sua viagem em Corinto, recolhendo a coleta.
  6. Jerusalém: foi então levar a coleta, e acabou sendo preso pelos judeus e entregue ao aos romanos
  7. Cesareia: ficou preso por dois anos. São Paulo apelou para César e foi enviado à Roma.




    Viagem de São Paulo a Roma



    Comentário de São João Crisóstomo aos Atos dos Apóstolos + Diário de Bordo


Comentário de São João Crisóstomo

Nada te pode fazer tão imitador de Cristo como a preocupação pelos outros. Mesmo que jejues, mesmo que durmas no chão, mesmo que, por assim dizer, te mates, se não te preocupas com o próximo, pouca coisa fizeste, ainda distas muito da imagem do Senhor. (Comentário à primeira Epístola aos Coríntios)

Cristo deixou-nos na terra para que sejamos faróis que iluminam, doutores que ensinam; para que cumpramos o nosso dever como o fermento [...]. Nem sequer seria necessário expor a doutrina se a nossa vida fosse tão radiante, nem seria necessário recorrer às palavras se as nossas obras dessem tal testemunho. Já não haveria nenhum pagão, se nos comportássemos como verdadeiros cristãos. (Homilias sobre a primeira Epístola a Timóteo, 10)

Não há nada mais frio que um cristão despreocupado da salvação alheia. Não podes aduzir como pretexto a tua pobreza econômica. Acusar-te-á a velhinha que deu as suas moedas no Templo. O próprio Pedro disse: Não tenho ouro nem prata (At 3, 6). E Paulo era tão pobre que muitas vezes passava fome e não tinha o necessário para viver. Não podes pretextar a tua origem humilde: eles também eram pessoas humildes, de condição modesta. Nem a ignorância te servirá de desculpa: todos eles eram homens sem letras. Sejas escravo ou fugitivo, podes cumprir o que depende de ti; assim foi Onésimo, e vê qual foi a sua vocação [...]. Não invoques a doença como pretexto, pois Timóteo estava submetido a freqüentes indisposições. Não digas: não posso ajudá-los, porque, se és cristão de verdade, é impossível que não o possas fazer. Não há maneira de negar as propriedades das coisas naturais; o mesmo acontece com isto que agora afirmamos, pois está na natureza do cristão agir dessa forma [...]. É mais fácil o sol deixar de iluminar ou de aquecer do que um cristão deixar de dar luz; mais fácil do que isso seria que a luz fosse trevas. Não digas que é impossível; impossível é o contrário [...]. Se orientarmos bem a nossa conduta, o resto sairá como conseqüência natural. Não se pode ocultar a luz dos cristãos, não se pode ocultar uma lâmpada que brilha tanto [00']' Cada um pode ser útil ao seu próximo, se quiser fazer o que está ao seu alcance. (Homilias sobre os Atos dos Apóstolos, 20)

A levedura, por muito pequena que seja, transforma uma grande quantidade de farinha; assim também vós convertereis o mundo inteiro [...]. Não se pode objetar: que podemos nós contra a imensa multidão dos homens? É isto precisamente o que revela o esplendor do vosso poder. Não desfaleçais [...], porque o vosso fulgor não se extinguirá, antes pelo contrário, vencereis todas as dificuldades. (Homilias sobre São Mateus, 46, 2)



A levedura faz fermentar a massa quando está perto da farinha ou, melhor, misturada com ela, pois a mulher não só pôs a levedura como, além disso, a escondeu entre a massa. Do mesmo modo tendes que fazer vós quando estiverdes misturados, identificados com as pessoas [...], como a levedura que está escondida mas não desaparece, antes pouco a pouco vai transformando a massa na sua própria qualidade. (Homilias sobre São Mateus, 46, 2)




You May Also Like

0 comentários

Olá, Paz e Bem! Que bom tê-lo por aqui! Agradeço por deixar sua partilha.