Sobre o tema mais difícil de escrever: A Confiança

by - novembro 05, 2020

 

William-Adolphe Bouguereau "Meditation" 1885



Este conteúdo é um material de apoio do Clube de Leitura Conjunta, saiba mais aqui


Eu estou a me programar para escrever sobre este tema há mais de um mês. É realmente muito difícil. Não sei se é por vivermos num mundo tão incerto, com pessoas inconstantes e estranhas, com situações que mudam a todo tempo, numa impermanência muitas vezes angustiante... ou talvez seja por estarmos andando neste caminho tentando confiar em Deus meio às apalparde-las, meio cambaleando e muitas vezes duvidando.

É difícil falar de confiança pois a maior parte de nós está andando e se trabalhando para confiar em Deus, mas na verdade nos pegamos, muitas vezes, tendo pensamentos como Abrãao e Sara quando o Senhor lhes disse que teriam um filho ou como Zacarias quando o anjo lhe disse que Isabel engravidaria. Nós temos pensamentos de desconfiança, poucos de nós fazemos como a Santíssima Virgem e dizemos "como será isso?", pois quem se pergunta "como será?" ao menos já acredita que Quem fala tem o poder de fazer. 


Nós realmente estamos individualmente e socialmente trilhando o caminho da confiança no Senhor, desde o Édem até este ano estranho de 2020 e nos que virá no futuro. Nós ainda estamos nos dedicando ou fugindo do momento da confiança. 


Nosso Senhor disse a Santa Faustina que a desconfiança é o que mais faz Seu Coração doer... é... pois é... nós, assim como o povo hebreu no deserto naquele dia em que o Senhor os libertou, temos medo de Deus e reclamamos de seus caminhos. 


O dom do temor de Deus é o amor filial que nos leva a acreditar na Soberania e no Poder da Majestade Divina, em nós e apesar de nós mesmos. O medo é duvidar dos desígnios de Deus ou ter medo da Vontade Divina. Por exemplo, faça um teste com você mesmo, diga, "Senhor que seja feita a sua vontade", você sente medo e receio? Você pensa: afinal, que vontade é essa? Pensa que deveria saber qual é essa vontade para que possa discutir e então concordar com ela? 


Pois é, essa é a diferença entre o temor e o medo. 


O padre Thomas de Saint-Laurent em seu livro "Livro da Confiança" (encontre aqui com código de desconto) ensina que "a confiança é uma firme esperança", também completa citando São Tomás que diz que a confiança "é uma esperança fortalecida por sólida convicção". 


A confiança é o desenvolvimento completo da virtude da esperança. É uma virtude "heroica e extraordinária", como ensina o Padre Saint-Jure, é firme, estável e constante num grau tão elevado que nada no mundo pode, não digo nem derrubá-la, mas sequer perturbá-la". 


Uma firmeza inquebrantável que confia somente no Senhor, isso é a confiança. Mas nós sabemos o quanto somos doentes em relação a isso, quanto isso nos é difícil e o Senhor sabe também, e não se cansa de nos dar sinais da sua ação providente e protetora: os cuidados com o povo hebreu, a Encarnação do Verbo, a propagação do Evangelho, os Santos, os Sacramentos, as gerações antes de nós que disseram sim a vida e que nos possibilitaram a vida hoje, o nosso batismo e os caminhos que o Senhor nos fez trilhar e nos resgatou, tudo isso é uma sucessiva ação da Providência, nos convidando a confiar. 


Mas assim como os pássaros vieram comer as sementes recém plantadas na parábola do semeador, as preocupações temporais podem tirar de nós as sementes de confiança. Mas Padre Thomas nos dá o remédio da vida dos Santos, conta ele que São Paulo, o eremita, vivia no deserto uma vida penitente e recebia, do bico de um corvo à serviço da Providência, todos os dias, meio pão. Um dia Santo Antônio foi visitá-lo e por conta de suas piedosas meditações não sentiram necessidade de alimento, mas Deus lembrou-se deles, a Providência lhes enviou um pão inteiro. 


"Buscai as coisas do alto e tudo o mais vos será acrescentado."


Também temos um episódio de São Camilo Lellis, veja bem, ele tinha se endividado para cuidar dos pobres doentes. Os religiosos estavam alarmados com a situação e o santo respondia: "Por que duvidar da Providência? Será difícil a Nosso Senhor dar-nos um pouco destes bens com que cumulou os judeus e os turcos, inimigos uns e outros da nossa fé?". A confiança de São Camilo não foi em vão, ele recebeu de um de seus protetores, que falecera, uma quantia considerável. 


"Buscai as coisas do alto e tudo o mais vos será acrescentado." Como nós somos católicos, não nos fiamos em ilusões, o Senhor não é um caixa eletrônico, nossas dificuldades terrenas são solucionadas quando "buscamos as coisas do alto" e somos também diligentes na execução do dever cotidiano e de estado que Ele nos deu. São Paulo, eremita e Santo Antônio foram chamados a uma vida penitente e de adoração; São Camilo foi chamado a ajudar os doentes, a Providência os socorreu, pois, fora atraída pela confiança e quando chegou encontrou almas que cumpriam o dever dos que temem a Deus de "buscar as coisas do alto". 


É uma meditação muito fértil pensar se estamos 'buscando as coisas do alto" e cumprindo o dever, para que "tudo o mais nos seja acrescentado". Os deveres de pai, mãe, professor, filho, católico estão sendo executados? Existe em nós confiança e em nossa vida a execução do dever em Deus e por Deus? 


"Buscai as coisas do alto e tudo o mais vos será acrescentado."


Quando buscamos as coisas do alto, passamos a viver segundo outras regras, vemos a vida por outras lentes, lentes eternas e límpidas, passamos a ter uma visão de mundo baseada na Soberania de Deus. Existe uma aliança bilateral nesta proposta do Senhor: de nossa parte, trabalhamos para a glória do Pai Celestial; da Sua Parte, o Pai compromete-se a prover nossas necessidades. 


"Pensa em Mim - disse o Senhor a Santa Catarina - e Eu pensarei em ti". 


Portanto, quando queremos ser mais confiantes, quando queremos saber como crescer na confiança em Deus, talvez possamos começar perguntando-nos: quanto eu tenho pensado no Senhor?


Ele sempre pensa em nós, se estamos vivos hoje, eu a escrever e você a ler, o Senhor esta a pensar em nós, sem isso nós não existiríamos. Mas a proposta é: "buscai as coisas do alto e tudo o mais vos será acrescentado", nós temos que pensar nEle e nas coisas dEle e buscar o que Lhe agrada. 


Nesses tempos tão tenebrosos, em que vivemos no caminho da "esperança por fio", temos um convite da Providência. O Padre Jean Pierre Caussade, em seu livro O Abandono a Providência Divina nos ensina que as direções da Providência são manifestadas na Palavra de Deus e na realidade das coisas, no curso da História, e que essas situações são convites para lembrarmo-nos do Poder de Deus, da Sua Soberania e para que possamos crescer e contemplar a ação de Deus que transforma a "esperança por um fio" em confiança determina, extraordinária e heroica, que confia em Deus apesar do mundo e de nós mesmos. 



Confie no Senhor de todo o seu coração
e não se apoie
em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor
em todos os seus caminhos,
e ele endireitará as suas veredas.
Provérbios 3, 5-6







You May Also Like

1 comentários

  1. Belo texto. Como é difícil confiar em Deus. Me fez abrir o entendimento e saber que a Providência de Deus nos envolve. Salve Maria

    ResponderExcluir

Olá, Paz e Bem! Que bom tê-lo por aqui! Agradeço por deixar sua partilha.