A PREGUIÇA E O CORAÇÃO INQUIETO

by - abril 23, 2018




As pessoas normalmente pensam em preguiça simplesmente como: falta de uma ética de trabalho séria. Mas a tradição cristã sempre viu mais, vê indolência. No dicionário está escrito que indolência é uma ausência, indiferença.
São Tomás de Aquino, definiu a indolência como "tristeza pela dificuldade de um bem espiritual". 

Considere as Resoluções de Ano Novo - quanto tempo elas duram? Começamos com grande entusiasmo - e, eventualmente, a montanha começa a se tornar um pouco alta demais para escalar; nós queremos alcançar grandes coisas; mas nos tornamos sobrecarregados com a imensidão da tarefa (e da nossa inadequação), e assim nós nos deitamos e desistimos - estabelecendo um triste estado de mediocridade. 

Isso é preguiça: somos feitos para a grandeza, mas às vezes a jornada parece muito difícil, e assim ficamos tristes. Em nosso estado de frustração, muitas vezes procuramos saídas para nos distrairmos de nosso vazio - a televisão, vagando incessantemente pelas mídias sociais ou enchendo nossas mentes com as últimas fofocas; e, eventualmente, acordamos e nos sentimos entediados com a vida.

Somente as pessoas podem ficar entediadas - as vacas não estão entediadas, elas apenas parecem assim. Se somos feitos para mais e nos preenchemos com menos, não devemos nos surpreender ao nos vermos tristes, inquietos e entediados - esses são os traços típicos da indolência.


Então, como isso se relaciona com o pecado?


Todos nós já ouvimos falar em “comfort food”, não é mesmo? Se não estamos satisfeitos em nossos níveis espirituais mais profundos, é bem esperado que nos voltemos para um estímulo físico. Estamos nos sentindo para baixo, então nos voltamos para uma saída física para elevar nossos espíritos. Aqui é onde os vícios da pornografia e do pecado sexual geralmente começam, para não mencionar padrões de relacionamentos não saudáveis ​​- voltando-se para eles em um momento negativo para afirmação e gratificação emocional ou física.

Para quebrar esse ciclo, precisamos nos engajar na raiz do problema - não apenas no sintoma. Em outras palavras, especialmente com padrões habituais e pecados de vício, não podemos simplesmente tentar "parar" de fazê-los. Esse vazio em nosso coração precisa ser preenchido com outra coisa - algo mais profundo, algo mais rico e mais gratificante.

O que o Diabo amaria mais do que qualquer outra coisa é que fiquemos presos ao pecado e tentemos nos erguer por pura força de vontade, apenas para terminar em desespero quando nos defrontarmos com nossa própria fraqueza.

Estamos feridos e fracos e necessitados da graça de Deus. O truque para a vida espiritual é: reconhecer a verdade dupla que (1) estamos feridos e fracos e (2) a misericórdia de Deus é infinita. Se pensarmos apenas na misericórdia de Deus, podemos cair em presunção e complacência; mas se pensarmos apenas na nossa fraqueza e mediocridade, cairemos no desespero. A esperança cristã caminha entre esses dois pólos, reconhecendo nossa fragilidade, mas sempre à luz da infinita misericórdia de Deus.

Somos feitos para a felicidade infinita - esta é a maneira sutil em que Deus nos atrai para si mesmo. Mas se não reconhecermos isso - se deixarmos o coração humano vazio de seu anseio mais profundo - então não devemos nos surpreender ao nos vermos inquietos e insatisfeitos. E essa inquietação interna é muitas vezes a causa básica de nossos vícios físicos ou padrões de relacionamento não saudáveis.

Nós geralmente nos sentimos melhor quando damos o nosso melhor; seja numa prática esportiva, no desenvolvimento de uma habilidade artística - nos sentimos bem quando damos tudo de nós. E quando não o fazemos, quando não damos o nosso melhor esforço, saímos com uma sensação de inquietação. Se isso é verdade nos esportes e afins, quanto mais na vida! A vida é uma realidade temporal e, também e acima de tudo, eterna e a verdadeira felicidade só virá ao dar tudo de nós às coisas que realmente importam.

Texto original com adaptações: 
Sloth and the Restless Heart escrito por Andrew Swafford is Associate Professor of Theology at Benedictine College para o Chastity Project. 

You May Also Like

3 comentários

FOLLOW ME @INSTAGRAM