DUAS CARTAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS AOS FIÉIS

by - outubro 04, 2017




No céu Francisco fulgura, 
cheio de glória e de luz, 
trazendo em seu corpo as chagas, 
sinais de Cristo e da Cruz. 

Seguindo o Cristo na terra, 
pobre de Cristo se faz, 
na cruz com Cristo pregado, 
torna-se arauto da paz. 

Pelo martírio ansiando, 
tomou a cruz do Senhor: 
do que beijou no leproso 
contempla agora o esplendor. 

Despindo as vestes na praça, 
seu pai na terra esqueceu; 
reza melhor o Pai-nosso, 
junta tesouros no céu. 

Tendo de Cristo a pureza, 
mais do que o sol reluzia, 
e, como o sol à irmã lua, 
Clara em seu rastro atraía. 

Ao Pai e ao Espírito glória 
e ao que nasceu em Belém. 
Deus trino a todos conceda 
os dons da cruz: Paz e Bem.
(Liturgia das Horas: Laudes)


São Francisco de Assis por sua humildade, santidade e desapego das coisas terrenas mereceu o título de Santo Seráfico, ou seja, sua vida atingiu tal grau de perfeição que ele recebeu o prêmio de estar no Céu diante de Deus e sentar-se no trono de um dos anjos apostatas da mais alta hierarquia, um Serafim. Significa que São Francisco alcançou o grau de um completo abrasamento no Amor de Deus, como abordamos no texto O QUE OS ANJOS NOS ENSINAM SOBRE O DOM DA SABEDORIA?| SÉTIMO PASSO NO CASTELO INTERIOR (aqui).

Existem no minimo 11 cartas escritas por São Francisco de Assis, as duas seguintes, que nos propomos divulgar, são destinadas aos fiéis. Durante a leitura é fácil notar as características da radicalidade cristã - que abordamos no texto PELA VOLTA DA RADICALIDADE: aqui - e nos ajuda no entendimento de muitas heresias e erros atuais que, no entanto, não são inovações desse tempo, pois muitos dos temas hoje debatidos foram frontalmente esclarecidos e refutados por São Francisco e também São Domingos no combate contra os cátaros.

Além do dito acima, observa-se também um esforço catequético incansável desse santo seráfico, evangelizando usando a Boa Nova, ou seja, os novíssimos: Morte, Juízo, Inferno e Paraíso.

Eis uma das grandes almas que inspiram esse apostolado: Paz e Bem!


Primeira Carta aos Fiéis
Exortação aos irmãos e às irmãs sobre a penitência

Em nome do Senhor!


Capítulo 1

Dos que fazem penitência

1.Todos os que amam o Senhor com todo o coração, com toda a alma e a mente, com toda a força (cfr. Mc 22,39) e amam seus próximos como a si mesmos (cfr. Mt 22,39),

2.e odeiam seus corpos com os vícios e pecados,

3.e recebem o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo,

4 e fazem frutos dignos de penitência:

5.Oh! como são bem-aventurados e benditos, eles e elas, enquanto fazem essas coisas e nelas perseveram,

6.porque des-cansará sobre eles o espírito do Senhor (cfr. Is 11, 2) e neles fará sua casa e morada (cfr. Jo 14, 23),

7.e são filhos do Pai celeste (cfr. Mt 5,45), cujas obras fazem, e são esposos, irmãos e mães de nosso Senhor Jesus Cristo (cfr. Mt. 12, 50).

8.Somos esposos, quando pelo Espírito Santo une-se a alma fiel a nosso Senhor Jesus Cristo.

9.Somos seus irmãos quando fazemos a vontade do Pai que está nos céus (Mt 12, 50).

10.Mães, quando o levamos em nosso coração e em nosso corpo (Cfr. 1Cor 6, 20), pelo amor divino e a consciência pura e sincera; e o damos à luz pela santa operação, que deve iluminar os outros com o exemplo (cfr. Mt 5, 16).

11.Oh! como é glorioso, santo e grande ter nos céus um Pai!

12.Oh! como é santo ter tal esposo: paráclito, belo e admirável!

13.Oh! como é santo e dileto ter tal irmão e filho, agradável, humilde, pacífico, doce, amável e sobre todas as coisas desejável: Nosso Senhor Jesus Cristo! que deu a vida por suas ovelhas (cfr. Jo 10,15) e orou ao Pai dizendo:

14.Pai santo, guarda-os em teu nome (Jo 17, 11), os que me deste no mundo; eram teus e mos deste (Jo 17,6).

15.E as palavras que me deste, lhas dei; e eles as receberam e creram, de verdade, que saí de ti e conheceram que me enviaste (Jo 17,8).

16.Rogo por eles e não pelo mundo (cfr. Jo 17, 9).

17.Bendize-os e santifica-os (Jo 17, 17), e por eles santifico a mim mesmo (Jo 17,19).

18.Não rogo só por eles, mas por aqueles que hão de crer em mim por sua palavra (Jo 17, 20), para que sejam santificados em um (Cfr. Jn 17, 23), como também nós (Jo 17, 11).

19.E quero, Pai, que onde eu estou também eles estejam comigo, para que vejam minha claridade (Jo 17,24) em teu reino (Mt 20,21). Amém.


Capítulo 2

Os que não fazem penitência

1.Mas todos aqueles e aquelas que não vivem em penitência,

2.e não recebem o corpo e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo,

3.e cometem vícios e pecados

4.e que andam atrás da concupiscência má e dos maus desejos de sua carne, e não guardam o que prometeram ao Senhor,

5.e servem corporalmente ao mundo com os desejos carnais e com as preocupações do século e com os cuidados desta vida:

6.presos pelo diabo, de quem são filhos e cujas obras fazem (cfr. Jo 8,41),

7.são cegos, porque não vêem a luz verdadeira, nosso Senhor Jesus Cristo.

8.Não têm a sabedoria espiritual, porque não têm o Filho de Deus, que é a verdadeira sabedoria do Pai,

9.dos quais se diz: Sua sabedoria foi devorada (Ps 106, 27); e malditos os que se afastam de seus mandatos (Ps 118, 21).

10.Vêem e conhecem, sabem e fazem o mal e eles mesmos perdem, sabendo, as almas.

11.Vede, cegos, enganados por vossos inimigos: pela carne, o mundo e o diabo; porque para o corpo é doce fazer o pecado e é amargo fazê-lo servir a Deus;

12.porque todos os vícios e pecados saem e procedem do coração dos homens, como diz o Senhor no Evangelho (cfr. Mc 7, 21).

13.E nada tendes neste século nem no futuro.

14.E calculais que possuís por muito tempo as vaidades deste século, mas estais enganados, porque virá o dia e a hora, em que não pensais, não sabeis e ignorais; adoece o corpo, a morte se aproxima e assim se morre com amarga morte.

15.E onde quer, quando quer, como quer que morra o homem em pecado mortal, sem penitência e satisfação, se pode satisfazer e não satisfaz, o diabo arrebata sua alma de seu corpo com tanta angústia e tribulação, que ninguém pode saber senão quem as sofre.

16.E todos os talentos e poder e ciência e sabedoria (2Par 1, 12), que calculavam ter, deles serão tirados (cfr. Lc 8, 18; Mc, 4, 25).

17.E o deixam aos parentes e amigos e eles tomaram e dividiram sua riqueza e disseram depois: Maldita seja sua alma, porque podia dar-nos e conseguir mais do que conseguiu.

18.Os vermes comem o corpo, e assim perderam corpo e alma neste breve século e irão para o inferno, onde serão atormentados sem fim.

19.A todos a quem chegar esta carta, rogamos, na caridade que é Deus (cfr. 1Jo 4, 16), que recebam benignamente com a-mor divino estas sobreditas odorosas palavras de nosso Senhor Jesus Cristo.

20.E os que não sabem ler, façam com que as leiam muitas vezes;

21.e as guardem consigo com santa operação até o fim, porque são espírito e vida (Jo 6, 64).

22.E os que não fizerem isto, terão que dar conta no dia do juízo (cfr. Mt 12, 30), diante do tribunal de nosso Senhor Jesus Cristo (cfr. Rm 14, 10).

Foi Paulo Sabatier quem publicou pela primeira vez este Escrito, no ano de 1900. Ele o achara no Códice de Volterra. Deu-lhe o nome de Verba vitae et salutis (Palavras de vida e de salvação) e disse que se tratava de um primeiro esboço do Escrito hoje conhecido como Segunda Carta aos Fiéis (que ainda não tinha sido publicado naquele tempo). Lemmens e Boehmer aceitaram o escrito mas disseram que se tratava de um resumo posterior. Esser conseguiu provar que se tratava realmente de uma primeira versão, mais antiga, da outra e lhe deu esse nome de “Carta aos Fiéis - primeira recensão”, corrigindo o título dado por Sabatier. Essa primeira versão, bem de acordo com o que dizem o Anônimo Perusino (41) e a Legenda dos Três Companheiros (60), é escrita no plural, pelos frades, com São Francisco. É um belíssimo e simples documento que fala dos que fazem e dos que não fazem penitência. Na segunda edição da obra de Esser, Grau aproveitou estudos feitos por Pazzelli e mostrou que, de fato, não se trata de uma Carta mas de um “louvor” a Deus pelos que fazem penitência: os que chamamos de Irmãos e Irmãs da Penitência. E que o título de Sabatier estava correto...


Segunda Carta

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

1.A todos os cristãos religiosos, clérigos e leigos, homens e mulheres, a todos os que moram no mundo inteiro, Frei Francisco, seu servo e súdito: submissão com reverência, paz verdadeira do céu e sincera caridade no Senhor.

2.Como sou servo de todos, a todos estou obrigado a servir e a prestar-lhes em serviço as odorosas palavras de meu Senhor.

3.Por isso, considerando na mente, que, em pessoa, pela enfermidade e debilidade do meu corpo, não poderia visitar a cada um, me propus, por meio desta carta e de mensageiros, anunciar-lhes as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é Palavra do Pai, e as palavras do Espírito Santo, que são espírito e vida (Jo 6,64).

4.Esta Palavra do Pai, tão digna, tão santa e gloriosa, foi anunciada pelo altíssimo Pai lá do céu, por meio de seu santo anjo Gabriel, no útero da santa e gloriosa Virgem Maria, de cujo útero recebeu a verdadeira carne de nossa humanidade e fragilidade.

5.O qual, sendo rico (2 Cor 8,9) sobre todas as coisas, quis ele mesmo escolher a pobreza no mundo com a beatíssima Vir-gem, sua mãe.

6.E perto da paixão, celebrou a Páscoa com seus discípulos e tomando o pão, deu graças e o abençoou e partiu, dizendo: Tomai e comei, este é meu corpo (Mt 26,26).

7.E tomando o cálice disse: Este é meu sangue do Novo Testamento, que por vós e por muitos será derramado para remissão dos pecados (Mt 26,27).

8.Depois orou ao Pai dizendo: Pai, se for possível, afaste-se de mim este cálice.

9.E seu suor tornou-se como gotas de sangue que caíam na terra (Lc 22,44).

10.Mas colocou sua vontade na vontade do Pai, dizendo: Pai, faça-se tua vontade (Mt 26,42); não como eu quero, mas como tu (Mt 26,39).

11.A vontade desse Pai foi que seu Filho, bendito e glorioso, que nos deu e nasceu por nós, se oferecesse por seu próprio sangue, como sacrifício e hóstia na ara da cruz;

12.não para si, por quem foram feitas todas as coisas (cfr. Jo 1,3), mas por nossos pecados,

13.deixando-nos exemplo, para que sigamos suas pegadas (cfr. 1Pe 2,21).

14.E quer que todos nos salvemos por ele e o recebamos com coração puro e com nosso corpo casto.

15.Mas são poucos os que querem recebê-lo e ser salvos por ele, embora seu jugo seja suave e sua carga leve (Mt 11,30).

16.Os que não querem provar como é suave o Senhor (cfr. Ps 33,9) e amam as trevas mais do que a luz (Jo 3,19), não querendo cumprir os mandamentos de Deus, são malditos;

17.sobre eles é dito pelo profeta: Malditos os que se afastam de teus mandamentos (Ps 118,21).

18.Mas, oh! como são bem-aventurados e benditos aqueles que amam a Deus e fazem como diz o próprio Senhor no Evangelho: Amarás ao Senhor teu Deus com todo o coração e com toda a mente e a teu próximo como a ti mesmo (Mt 22,37,39).

19.Amemos, pois, a Deus e adoremo-lo com coração puro e mente pura, porque buscando isto sobre todas as coisas, disse: Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade (Jo 4,23).

20.Pois todos os que o adoram, é preciso que o adorem no Espírito da verdade (cfr. Jo 4,24).

21.E digamos-lhe louvores e orações dia e noite (Sl 31,4) dizendo: Pai nosso, que estás nos céus (Mt 6,9), porque é preciso que oremos sempre e não desfaleçamos (Lc 18,1).

22.Devemos certamente confessar ao sacerdote todos nossos pecados; e receba-mos dele o corpo e o sangue de nosso Se-nhor Jesus Cristo.

23.Quem não come sua carne e não bebe seu sangue (cfr. Jo 6,55, 57), não pode entrar no reino de Deus (Jo 3,5).

24.Mas coma e beba dignamente, porque quem recebe indignamente come e bebe sua própria condenação, não distinguindo o corpo do Senhor (1Cor 11,29), isto é, não o discerne.

25.Façamos, além disso, frutos dignos de penitência (Lc 3,8).

26.E amemos o próximo como a nós mesmos (cfr. Mt 22,39).

27.E se alguém não quiser amá-lo como a si mesmo, pelo menos não lhes cause mal, faça o bem.

28.Mas os que receberam o poder de julgar os outros, exerçam o julgamento com misericórdia, como eles mesmos querem obter misericórdia do Senhor.

29.Pois haverá juízo sem misericórdia para aqueles que não fizerem misericórdia (Tg 2,13).

30.Portanto, tenhamos caridade e humildade, e façamos esmolas, porque elas lavam a alma das manchas dos pecados (cfr. Tb 4,11; 12,9).

31.Pois os homens perdem tudo que deixam neste século, mas levam consigo o preço da caridade e as esmolas que fizeram, pelas quais obterão do Senhor prêmio e digna remuneração.

32.Também devemos jejuar e abster-nos dos vícios e pecados (cfr. Sir 3, 32) e do excesso de comidas e bebida, e ser católicos.

33.Também devemos visitar as igrejas freqüentemente e venerar os clérigos e reverenciá-los, não só por eles, se forem pecadores, mas pelo ofício e administração do santíssimo corpo e sangue de Cristo, que sacrificam no altar e recebem e administram aos outros.

34.E saibamos firmemente todos que ninguém pode salvar-se, senão pelas santas palavras e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, que os clérigos pronunciam anunciam e administram.

35.E só eles devem administrar e não outros.

36.E especialmente os religiosos, que renunciaram ao século, estão obrigados a fazer mais e maiores coisas, mas sem omitir estas (cfr. Lc 11,42).

37.Devemos ter ódio a nossos corpos com os vícios e pecados, porque diz o Senhor no Evangelho: Todos os males, vícios e pecados saem do coração (Mt 15,18 s.; Mc 7,23).

38.Devemos amar a nossos inimigos e fazer o bem aos que nos têm ódio (cfr. Mt 5,44; Lc 6,27).

39.Devemos observar os preceitos e conselhos de nosso Senhor Jesus Cristo.

40.Devemos também negar a nós mesmos (cfr. Mt 16,24) e por nossos corpos sob o jugo da servidão e da santa obediência, como cada um prometeu ao Senhor.

41.E ninguém tenha que obedecer por obediência a alguém naquilo em que se comete delito ou pecado.

42.Mas aquele a quem foi encomendada a obediência e que é tido como maior, seja como menor (Lc 22, 26) e servo dos outros irmãos.

43.E para com cada um de seus irmãos faça e tenha a misericórdia, que quisera que a ele se fizesse, se estivesse em caso semelhante.

44.E não se irrite contra o irmão pelo delito do ir-mão, mas benigna-mente o admoeste e suporte com toda paciência e humildade.

45.Não devemos ser sábios e prudentes segundo a carne (1Cor 1,26), mas antes devemos ser simples, humildes e puros.

46.E tenhamos nossos corpos em opróbrio e desprezo, porque todos, por nossa culpa, somos miseráveis e podres, hediondos e vermes, como diz o Senhor pelo profeta: Eu sou um verme e não um homem, opróbrio dos homens e desprezo do povo (Sl 21,7).

47.Nunca devemos desejar estar acima dos outros, antes devemos ser servos e submissos a toda humana criatura por Deus (1 Pd 2,13).

48.E todos, eles e elas, enquanto isso fizerem e perseverarem até o fim, descansará sobre eles o Espírito do Senhor (Is 11,2) e fará neles habitação e morada (cfr. Jo 14,23).

49.E serão filhos do Pai celeste (cfr. Mt 5,45), cujas obras fazem.

50.E são esposos, irmãos e mães de nosso Senhor Jesus Cristo (cfr. Mt 12,50).

51.Somos esposos, quando pelo Espírito Santo une-se a alma fiel a Jesus Cristo.

52.Somos certamente irmãos, quando fazemos a vontade de seu Pai, que está no céu (cfr. Mt 12,50);

53.mães, quando o levamos no coração e em nosso corpo (cfr. 1Cor 6,20) pelo amor e a consciência pura e sincera; o damos à luz pela santa operação, que deve iluminar os outros com o exemplo (cfr. Mt 5, 16).

54.Oh! como é glorioso e santo e grande, ter nos céus um Pai!

55.Oh! como é santo, ter um esposo consolador, bonito e admirável!

56.Oh! como é santo e como é querido ter tal irmão e tal filho, agradável, humilde, pacífico, doce, amável e mais desejável do que todas as coisas, que deu a vida por suas ovelhas (cfr. Jo 10,15) e orou ao Pai por nós dizendo: Pai santo, guarda em teu nome, os que me deste (Jo 17,11).

57.Pai, todos os que me deste no mundo, eram teus e os deste a mim (Jo 17,6).

58.E as palavras que me deste, eu lhes dei; e eles as receberam e conheceram verdadeiramente que saí de ti e creram que tu me enviaste (Jo 17,8); rogo por eles e não pelo mundo (cfr. Jo 17,9); abençoa-os e santifica-os (Jo 17,17).

59.E por eles santifico a mim mesmo, para que sejam santificados na (Jo 17,19) unidade, como também nós (Jo 17,11) o somos.

60.E quero, Pai, que onde eu estou também eles estejam comigo, para que vejam minha glória (Jo 17, 24) em teu reino (Mt 20,21).

61.Mas àquele que por nós suportou tantas coisas, que nos trouxe e trará tantos bens no futuro, toda cria-tura que há nos céus, na terra, no mar e nos abismos retri-bua louvor, glória, honra e bênção (cfr. Apoc 5,13),

62.porque ele é força e fortaleza nossa, o único bom, o único altíssimo, o único onipotente, admirável, glorioso, o único santo, louvável e bendito pelos infinitos séculos dos séculos. Amém.

63.Mas todos aqueles que não estão em penitência e não recebem o corpo e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo,

64.e operam vícios e pecados, e que andam atrás da má concupiscência e dos maus desejos, e não observam o que prometeram,

65.e servem corporalmente o mundo pelos cuida-dos e preocupações deste século e pelos cuidados desta vida,

66.enganados pelo diabo, de quem são filhos e cujas obras fazem (cfr. Jo 8,41), são cegos, porque não vêm a luz verdadeira, nosso Senhor Jesus Cristo.

67.Não têm a sabedoria espiritual, porque não têm o Filho de Deus em si, que é a verdadeira sabedoria do Pai, e deles se diz: Sua sabedoria foi devorada (Sl 106, 27).

68.Vêem, conhecem, sabem e fazem o mal, e perdem as almas conscientemente.

69.Vêde, cegos, enganados por nossos inimigos, a saber, pela carne, pelo mundo e pelo diabo, que para o corpo é doce fazer o pecado e amargo servir a Deus, porque todos os males, vícios e pecados do coração dos homens saem e procedem (cfr. Mc 7, 21, 23), como diz o Senhor no Evangelho.

70.E nada tendes neste século nem no futuro.

71.Por longo tempo calculais possuir as vaidades deste século. mas estais enganados, porque virá o dia e a hora em que não pensais, e não sabeis e ignorais.

72.Adoece o corpo, aproxima-se a morte, vêm os parentes e amigos dizendo: Dispõe de teus bens.

73.Eis sua mulher, parentes e amigos fingindo chorar.

74.Olha e os vê chorando; é levado por um mau passo; pensa consigo mesmo, e diz: Ponho a alma, o corpo e todas as minhas coisas em vossas mãos.

75.Verdadeiramente amaldiçoado é esse homem, que confia e expõe alma, corpo e todas as suas coisas em tais mãos;

76.por isso, diz o Senhor pelo profeta: Maldito o homem que confia no homem (Jr 17,15).

77.E logo fazem vir o sacerdote; diz-lhe o sacerdote: “Queres receber a penitência de todos teus pecados?”.

78.Responde: “Quero”. “Queres satisfazer como podes com teus bens, pelos pecados e por essas coisas em que defraudaste e enganaste as pessoas?”.

79.Responde: “Não”. E o sacerdote diz: “Por que não?”.

80.“Porque distribuí tudo nas mãos dos parentes e amigos”.

81.E começa a perder a fala e assim morre aquele miserável.

82.Mas saibam todos que, onde quer e como quer que morra o homem em pecado mortal sem satisfação, se podia satisfazer e não satisfez, o diabo arrebata sua alma de seu corpo, com tanta angústia e tribulação, como ninguém pode saber, a não ser quem o sofre.

83.E todos os talentos e poder e ciência, que pensava ter (cfr. Lc 8,18) ser-lhe-ão tirados (Mc 4,25).

84.E deixa-o para os parentes e amigos, e eles tomarão e dividirão sua riqueza e dirão depois: “Maldita seja sua alma, porque podia dar-nos e conseguir mais do que conseguiu,”.

85.Os vermes comem o corpo; e assim perde corpo e alma neste breve século e irá para o inferno, onde será atormentado sem fim.

86.Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

87.Eu, frei Francisco, vosso menor servo, vos rogo e conjuro, na caridade que é Deus (cfr. 1 Jo 4,16), e com a vontade de beijar vossos pés, que deveis receber e pôr em prática e observar estas e as outras palavras de nosso Senhor Jesus Cristo com humildade e caridade.

88.E todos aqueles e aquelas que benignamente as receberem, entenderem e enviarem a outros para exemplo, e se nelas perseverarem até o fim (Mt 24,13), bendiga-os o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Amém.

Wadding publicou esta carta dividida em duas, baseando-se em um manuscrito. Mas hoje temos muitos outros manuscritos, inclusive do sec. XIII, que dão o texto como uma única carta. Sua autenticidade é aceita. Talvez se possa situar a primeira recensão por volta de 1212 e esta por volta de 1222. Bem mais longa, esta nos faz pensar em como a Regra primitiva dos Frades Menores foi se transformando na Regra não bulada: na medida em que aumentava o número dos Irmãos e Irmãs da Penitência e em que as dificuldades iam aparecendo, a Carta foi crescendo. É fácil perceber como muitos trechos novos foram colocados para esclarecer quanto aos erros dos cátaros, que deviam influenciar muitos irmãos.

Conheça o nosso canal no Youtube! E se inscreva:


Paz e Bem!
Ana

You May Also Like

0 comentários

FOLLOW ME @INSTAGRAM