O CAMINHO DO DESAPEGO E SIMPLICIDADE

by - julho 12, 2017


Olá, Paz e Bem

Hoje, quero te falar de um dos temas mais presentes em minha vida e na vida de todo cristão. O desapego.

É muito comum que durante uma conversa, respondendo dúvidas ou lendo um comentário eu me depare com expressões como: "estou me sentindo pesado", "parece que estou muito cansada", "eu tento fazer as coisas e não consigo", "tenho propósitos, mas me perco".

Pois bem, uma das coisas que aprendi estudando e por experiência é que: quanto mais coisas você tem, mais tempo você perdi e mais distante de si mesmo você fica.

soberba, avareza e gula


Antes de continuar quero que entendam, o cristianismo não faz apologia à pobreza, mas sim ao desapego. A pobreza é justamente a virtude que te faz ser livre de: coisas, situações ou a qualquer coisa que seja. Da mesma forma, o cristianismo não faz uma cruzada contra a riqueza, faz uma conscientização sobre o apego.

O episódio do moço rico, nos mostra isso, o problema não era a riqueza, o que o impediu de seguir  o caminho com Jesus foi o apego a ela. Assim, o problema estava no moço em si e não nos bens dele.

Da mesma forma que Jesus encontrou graça na mulher que doou poucas moedas no templo. A graça estava nela, em seu desprendimento e não nas moedas.

Entende?

Também falei sobre isso, na pequena série sobre DesApego aqui e também sobre Consumismo aqui.

O apego nos faz estacionar e nós queremos e sabemos que temos que caminhar, no Caminho da Perfeição. E isso não é possível sem a consciência do desapego. Assim, é muito importante que veja o que São José Maria Escrivá nos ensina sobre isso: aqui.

Afinal, no fundo nós temos uma imagem bem deturbada sobre dinheiro e sobre bens. Como se a espiritualidade e os bens, dinheiro fossem inimigos jurados. No entanto, não é bem assim, só são contrários quando não usamos os nossos bens, o dinheiro e tudo que possuímos, para fazer o bem. É difícil para o rico entrar no Céu por ser apegado às riquezas da Terra. Um rico desapegado das riquezas da Terra, seria um pobre que seria feliz no Céu.

Tudo o que existe, foi e será é servo de Deus. As coisas servem para nos servir, já que somos filhos livres de Deus, e não para impedir a nossa liberdade, se tornando o centro da nossa vida, conscientemente ou inconscientemente.

Assim, acredito que é um tempo oportuno para repensar alguns valores e também para realizar uma "psicanálise que vale a pena", como diz o Venerável Fulton Sheen, se referindo ao desapego. 

Primeiro: será mesmo que eu preciso de tudo que tenho? Pensa bem, quanto mais coisa temos, mais dúvidas temos e mais ansiosos ficamos e mais tempo perdemos... Isso incluí: roupas, livros, maquiagem, papéis e etc...

Segundo: eu preciso mesmo de tudo que acho que preciso? É comum que cada um de nós tenha uma lista de compras, das "coisas que desejo", basta saber se você realmente precisa disso e acima de tudo  se isso tem relação com você e os valores da sua vida?

Terceiro: eu sou grato pelo que tenho? O problema de querer muito e ter muito, é que o ser fica sem ser notado. Muitas pessoas se envolvem tanto com as coisas e com suas listas do "eu quero" que se esquecem de notar que muitas vezes já possuem muitas coisas da lista. Desde um celular novo, sendo que já se possuí um em ótimo estado, ou um produto novo, sendo que já se tem aquilo no armário com pequenas diferenças.

Existe um ciclo atual que rege nossas atitudes, o chamo de ciclo da Insatisfação e Ingratidão. Um coração grato e consciente do que é e que não é focado no ter, saí desse ciclo e pode andar pelo "Caminho", como chamavam os primeiros cristãos ao cristianismo.

Pois bem, meu objetivo é que você se atente e observe se suas ações estão de acordo com a sua fé. 

A incoerência entre o que se vive e o que se acredita é a raiz das expressões ditas acima, no início desse texto.

Se inscreva em nosso canal no youtube para mais conteúdos:












Paz e bem
Abraços,
Ana Paula Barros








You May Also Like

2 comentários

  1. Texto muito útil Ana Paula!

    Preciso me desapegar sempre, esse é o caminho do cristão.

    Do ponto de vista científico, o apego é prejudicial a psique e comportamento humano,seja por coisas, ideias, pessoas ou realidades. O apego excessivo nos mantém reféns na prisão do ego, gerando pensamentos e sentimentos que desenvolvem doenças e diversas dificuldades na vida.

    Segundos estudiosos, pessoas apegadas possuem muita dificuldade em adaptar-se a novas situações, realidades, pessoas, "surpresas" da vida... Assim, geram emoções desequilibradas e danosas à saúde integral (corpo e mente). Esses estudiosos, indicam a prática do autoconhecimento, meditação e espiritualidade para o desapego.

    Nosso Senhor Jesus Cristo, nos ensinou o caminho da maturidade humana e espiritual: "DESAPERGAR-SE". Caminho que exige decisão e passos firmes... eu estou estou nesse caminho, ainda longe da meta, mas estou pq esse é o "caminho"... desde a igreja primitiva é " o caminho" e continua sendo para a igreja atual.

    Paz e Alegria!

    ResponderExcluir
  2. Que o Espírito Santo ilumine a tds que lerem esse post.

    Como "desapergar-se" se não descobrimos que estamos apegados? O primeiro passo é a descoberta... Essa era a via dos que se tornaram livres interiormente na história do cristianismo. Desaperga-se é ser livre interiormente, pois a raíz do apego mora dentro do homem (EGO)... Esse processo se faz encontrando a si mesmo e encontrando o Cristo "desapegado" desse mundo e de sua própria vida - oferta, sair de si mesmo (eu).

    Ser desapegado é ser livre... é ser capaz de renunciar a si mesmo, mortificar-se, doar-se até o fim, até a morte se assim for necessário.

    "Quem ama a sua vida vai perde-la e quem perde-la vai encontra-la" disse o mestre Jesus

    Nosso Senhor virá! Maranatha! Vem Senhor Jesus!

    Esse processo de "desapergar-se" é necessário para quem não quer negá-lo nesse tempo, "nos tempos finais". Pra ser "fiel até o fim" é preciso ser "pobre", desapegado nesse mundo...

    Ajuda-nos Senhor Jesus! Virgem Mãe, rogai por nós...


    ResponderExcluir

Olá, Paz e Bem! Que bom tê-lo por aqui! Agradeço por deixar sua partilha.