TENHO VOCAÇÃO PARA O MATRIMÔNIO MAS ESTOU SOLTEIRA| São Josemaria Escrivá 03

by - junho 10, 2018



Esta formação é complementar a duas anteriores, que para melhor assimilação, sugiro que sejam lidas antes: Qual a minha missão? (aqui) e Sentindo-se no lugar errado? (aqui.)

segredos de Deus

Um grande problema feminino é o das mulheres solteiras, referimos-nos àquelas que, embora com vocação matrimonial, não chegam a casar-se. Como não o conseguem, perguntam-se: para que estamos nós no mundo? Que lhes responderia?


Para que estamos nós no mundo? Para amar a Deus com todo o nosso coração e com toda a nossa alma, e para estender esse amor a todas as criaturas. Ou será que isso parece pouco? Deus não deixa nenhuma alma abandonada a um destino cego; para todas tem um desígnio, a todas chama com uma vocação pessoalíssima, intransferível.

O matrimônio é caminho divino, é vocação. Mas não é o único caminho, nem a única vocação. Os planos de Deus para cada mulher não estão necessariamente ligados ao matrimônio. Têm vocação e não chegam a casar-se? Em algum caso, talvez seja assim: ou, quem sabe, talvez tenha sido o egoísmo ou o amor próprio que impediu que esse chamado de Deus se cumprisse. Mas, outras vezes, a maioria mesmo, isso pode ser sinal de que o Senhor não lhes deu matrimonial. Sim, gostam de crianças, sente que seriam boas mães, que entregariam seu coração fielmente ao seu marido e aos filhos. Mas isso é normal em todas as mulheres, também naquelas que, por vocação divina, não se casam - podendo fazê-lo -, para se ocuparem no serviço de Deus e das almas. 

Não se casaram. Pois bem: que continuem, como até agora, amando a vontade de Deus, vivendo na intimidade desse Coração amabilíssimo de Jesus que não abandona ninguém, que é sempre fiel, que vai olhando por nós ao longo desta vida, para se dar a nós desde agora e para sempre.

Além disso, a mulher pode cumprir a sua missão - como mulher, com todas as suas características femininas (mais sobre aqui e aqui), incluindo as características afetivas da maternidade - em círculos diferentes da própria família: em outras famílias, na escola, em obras assistenciais, em mil lugares. A sociedade é, às vezes, muito dura - com grande injustiça - para com aquelas que chamam "solteironas". Mas há mulheres solteiras que difundem à sua volta alegria, paz, eficácia, que sabem entregar-se nobremente ao serviço dos outros  e a ser mães, em profundidade espiritual, com mais realidade do que muitas que são mães apenas fisiologicamente. 

Para refletir com amor. Esse texto tem a intenção de nos despertar a missão real da mulher, que é inerente a nós e pode ser executada no estado que Deus nos coloca hoje. Tem a intenção de despertar as mulheres para que não esperem o que acreditam ser o estado adequado para trabalhar e colocar em prática suas habilidades femininas. O estado adequado, o tempo favorável é o que o Senhor nos coloca, hoje. Não tenho a intenção de dizer se você irá casar-se ou não, isso é com o Senhor. O fato é que o tempo vivido hoje, é o tempo que hoje esta reservado para viver sua feminilidade e trabalhar espalhando-a com alegria pelo mundo. Não é o tempo para se angustiar com o que não esta acontecendo, é tempo de viver o feminino no que acontece, no hoje.

São Josemaria Escrivá
Revista Feminina Telva

Paz e bem,
Abraços,
Ana Paula Barros

You May Also Like

5 comentários

  1. Respostas
    1. São Josemaria Escrivá é muito didático :)

      Excluir
  2. Esse texto é de São Josemaria Escrivá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim meu bem, para uma Revista Feminina. Por isso o titulo é Damas da Rainha e Josemaria Escrivá ;), senão eu não colocaria o nome do santo :)

      Excluir
  3. Ah, sim. Eu não tinha reparado. Salve Maria!

    ResponderExcluir

Olá, Paz e Bem! Que bom tê-lo por aqui! Agradeço por deixar sua partilha.