COMO A DISCIPLINA NA ALIMENTAÇÃO MELHORA SUA ESPIRITUALIDADE

by - agosto 18, 2017


Olá,

eu sei que você deve estar pensando "será que estou no blog certo"? Bom acredite, está. E sim, vamos falar de alimentação.

Como você já deve ter visto no vídeo sobre gula, aqui, a espiritualidade e a alimentação tem uma intima relação.



Como vimos, a gula não é só comer demais, mas também devemos notar que se relaciona com a qualidade e agora, indo além, podemos ver outras faces desse comportamento.

Atualmente, vivemos numa interessante relação com a comida, comemos coisas comestíveis e não alimentos. Para me fazer compreender e poder expressar as virtudes desempenhadas nesse processo, vou lhe contar o que aconteceu na minha história.

Nunca tive problemas com comida, minha alimentação sempre foi boa, em casa fomos educados a comer de tudo e "tudo" inclui vegetais,  mas com a vida cotidiana trabalhista (rs) comecei a "me esquecer" de comer. Muitos podem achar isso bom (rs), mas não é, afinal comer é uma necessidade do corpo e é necessário para manter a vida saudável do mesmo, logo se esquecer de disso demonstrava que eu preferia submeter meu corpo a um stress desse tipo em prol de um trabalho adiantado.

Logo minha primeira lição foi: comer nos horários. Sei que isso é a fala de muitos profissionais, mas no meu caso e talvez no seu, era uma forma de exercer a constância, digo isso porque comia sem fome e sem vontade de comer (não, não era anoréxica rsrs era uma pessoa que trabalhava e estudava demais e entre comer e dormir, preferia dormir rs), mas consegui e comia nos horários.

Claro que esse jejum, sem nenhum suporte espiritual e sem nenhum objetivo espiritual (sim, o jejum com proposito, é bem feito e consciente), saiu caro e fiquei com uma pangastrite (gastrite é a inflamação de uma parede do estomago, pangastrite do estomago todo), mas eu não sentia dor (não, não sei por qual razão). Fiz um tratamento com 60 antibióticos semanal e fiquei bem, não passei mal, e consegui comer direito :). 

Bom essa fase, comecei a notar o quê eu comia e como comia. Pois é, o fato é que, obviamente, precisei mudar minha alimentação por conta do estomago que havia se cansado de tanto lixo e ficado bem seletivo quanto a lactose (sim, intolerância a lactose, que não é alergia, só intolerância). Assim comecei a me fazer uma pergunta quando vou comer: isso é comestível ou alimenta? - no caso, isso engana ou nutri.

Sabe, quando escrevi o No Principio, baixe aqui, precisei estudar o Gênesis novamente e novamente, sempre parava nos alimentos que Deus havia nos dado, o quanto eram nutritivos e nos aproximavam da natureza. Confesso, não sou vegetariana, mas como alimentos que nutrem em maior quantidade e mais vezes ao dia.

Quem passa por aqui, assiste os meus vídeos, sabe que sempre falo da necessidade de fazer o pequeno, ir pela pequena via como diz Santa Terezinha. Quando escolhemos o que comemos (não com frescura, mas numa ação consciente e prudente, comendo comida mesmo), a quantidade que comemos, fazemos uso da prudência, que é a arte de escolher. Quantas vezes comemos para satisfazer um gosto e isso é bom, MAS muitas vezes aquilo que foi ingerido nos fará mal e esse fato é muitas vezes consciente, sabemos que fará mal. E ainda vou além, muitas vezes fazemos isso com a comida e com outras áreas da vida, não é mesmo? Vamos, agimos e falamos mesmo sabendo que é ruim, não fará bem.

Assim é possível na prática de pequenas coisas aprender a escolher, a ser prudente.

E por fim, chegamos ao como. Já reparou que não comemos na mesa? E que fazemos muitas coisas em lugares que não lhe são próprios? Eu por exemplo, tinha o péssimo hábito de comer em pé, andando, fazendo as coisas. Hoje vou te falar que preciso me esforçar pra montar a mesa, o prato, sentar, me desligar do que precisa ser feito e comer. Assim é também um treino da constância.

Todos esses pontos e outros que podem surgir aí na sua mente com essa reflexão, nos levam a treinar também a temperança, que é capacidade de buscar o equilíbrio.  

Agora vou além, sabia que a castidade, que é a capacidade do auto domínio da sexualidade, é filha da temperança? Da mesma forma que a a gula pode abrir espaço para a luxuria, a temperança abre para a castidade. 

Pois é, não se deixe levar! Como disse no vídeo, aqui, é comum que sejamos assaltados por pensamentos de que já estou tão estressado se fizer isso vou ficar doente, minha vida já é tão difícil e eu ainda vou fazer isso? Não são pensamentos que vem de Deus, podem ser simplesmente a comodidade humana ou, se você tem dificuldades na sexualidade, um forma de impedir que feche essa porta.

Lembre-se, se for fiel no pouco Ele te confiará mais.

Paz e bem.








You May Also Like

2 comentários

  1. Oi Ana, eu sou Adriana Cardoso, tenho 26 anos. E tento buscar o meu caminho reto ao pai, mas uma das minhas maiores dificuldades é exatamente a comida. Sou obesa, sinto muita preguiça, gosto de facilitar tudo com coisas rápidas que não me tome muito esforço. Claro que tenho ciência de como isso me faz mal, e me fazendo mal acaba sendo desrespeitoso com Deus. Lendo seu artigo me identifiquei muito, preciso aplicar esse equilíbrio, essa temperança na minha vida. Adoro seus vídeos e sua sabedoria é inspiradora. Obrigada pelo carinho de cuidar da nossa mente trazendo para perto de Deus.Que ele te abençoe muito. Paz e bem! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, fico muito feliz, louvado seja Deus. Ele nos fortalece e impulsiona sempre, sabe que mudamos de rumo muitas vezes, mas esta atento quando vê que queremos fazer tudo que nos é possível, lembre-se disso :). Paz e bem :)

      Excluir

FOLLOW ME @INSTAGRAM